Como funciona a sonda lambda de banda larga - LSU

Como comentado, a sonda lambda de banda larga necessita o suporte de um sistema eletrônico para seu funcionamento. Um circuito integrado (CI), montado na UCM, é responsável por compor o sinal que corresponda à relação lambda da mistura queimada no motor.
Dispostas em camadas se formará duas células, sendo uma denominada célula geradora CG e a outra a célula de bombeamento CB.

A célula geradora CG produz uma tensão, inicialmente, em função do volume de oxigênio no gás de escape, já que este se comunica com a câmara intermediaria.

Fixado a tensão de referencia U1em 450 mV, o diferencial de tensão deste com a célula geradora CG na entrada do comparador C origina a corrente elétrica aplicada na célula de bombeamento, que transportará íons de oxigênio do gás escape para a câmara interna da sonda e vice versa.

Controlado pela corrente elétrica, o volume de oxigênio na câmara intermediaria regula a tensão da célula geradora ao nível da tensão de referencia U1.

Dependente do volume de oxigênio no gás de escape, a corrente de bombeamento é uma relação exata da mistura queimada no motor. O sinal é obtido na etapa de conversão (A) amplificando-se a queda de tensão sobre os resistores em paralelo Rs (interno a UCM) e Rs1 (instalado no conector da sonda), por onde circula a corrente enviada a célula de bombeamento de oxigênio.

Rs1, montado no conector da sonda, é um resistor destinado à calibração da sonda no final da fabricação.

A tensão U2 eleva o potencial do borne negativo (5) da sonda para +1,5V ou +2,5 V em relação à massa, criando um referencial para a inversão de corrente na célula de bombeamento, além de fixar este valor de tensão para lambda=1.

A potencia de aquecimento é regulada por um controle PWM aplicado na alimentação do PTC, garante a temperatura exata e protege a sonda contra choques térmicos.

2 comentários:

João "Charles" disse...

Gostaria de ajuda de todos: Tenho fiat tipo 94 e quando lavo motor queima a bobina de ignição. Ou seja derrete os fios do conector da bobina.???

POR QUE ACONTECE ISSO,???? E PORQUE ALTERNADO FICA MOLHADO??

QUAL CONECÇÃO CORRETA DOS CABOS DE VELA VELA 1 COM ENTRA 1 BOBINA INICIO OU VELA 4 COM ENTRA 1 BOBINA???

madnem imal para ajuda-me jbexciter@yahoo.com.br

OBRIGADO.

Aparecido Oliveira disse...

João, os componentes do motor não estão protegidos contra jatos d'água, sobre tudo com máquinas de alta pressão, portanto é normal que que entre água nas partes internas dos componentes e até causem danos.
No Fiat tipo existe a possibilidade de entrada de água na unidade de comando do motor causando-lhe dano, deve ser avaliado se esta foi prejudicada. Na bobina pode ter entrado água no conector e oxidado os terminais que lhe causariam mau contato/zinabre e consequentemente o superaquecimento dos terminais. Faça avaliação do estado dos terminais e o substitua, caso necessário. Quanto os cabos da bobina podem ser ligados assim mesmo, a questão é mais um problema de lay-out para melhorar o disposição.